domingo, 8 de agosto de 2010

EXISTEM PAIS DIFERENTES OU DIVERSOS PAIS?


imagem publicada - foto em preto e branco de um homem, um pai, de óculos, sendo empurrado em um rústico carrinho por uma menina (com vestes indianas), com sacolas penduradas,no meio de uma rua, com trânsito de ônibus à sua volta, sendo ele uma pessoa com deficiência, ele traz, entre suas pernas atrofiadas, um bebê, como uma das fotografias premiadas (1º lugar) de um concurso promovido pela OMS - Organização Mundial da Saúde, do fotógrafo Khaled Satter, para promoção da CIF - Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (2001). Eu a denomino como imagem do presente, do passado e do futuro das pessoas em situação de deficiência no mundo hipercapitalista que estamos vivendo e viveremos, o qual o título da foto elucida: "duplo fardo".

Homenagem ao Dia dos Pais (Em busca da paternidade diferenciada) - agosto de 2010

A paternidade é uma descoberta permanente. Houve uma filosofia pré-feminismo, de Simone de Beauvoir, que também pode ser aplicada aos homens: assim como não se nasce mulher, não se nasce pai, torna-se. Tenho a certeza disso, cada dia mais, cada vez mais. Eu posso afirmar que se há mulheres que ainda não compreenderam o mito do amor materno, também há milhares de pessoas e homens que ainda não compreendem o chamado mito do amor paterno.

Nós, os homens, os machos, não nascemos com 'instinto paterno', assim como é uma construção ideológica e ideal sobre as mulheres o tal 'instinto materno'. Uma outra francesa, Elisabeth Badinter, já demoliu o das mães, mas ainda falta um outra demolição mitológica.

Hoje, como em todos os agostos, se comemora o Dia dos Pais. É a festa da paternidade a ser reconhecida e ser premiada. Nós, os diversos pais, vamos ganhar abraços, beijos e também presentes diferentes. Porém o que alguns pais precisam ganhar pela classificação e rotulação de sua 'situação especial' seria o reconhecimento de serem apenas diferentes ou melhor serem simplesmente pais na diversidade.

Confundimos as duas palavras: diversidade e diferença . Confundimos também paternidade genética com tornar-se um pai. Para que não continuemos exaltando o que deve ser um longo, árduo e incrível aprendizado, o da paternidade de pessoas com deficiência, como 'sofrimento', 'vitimização' ou 'heroísmo', os mesmos estereótipos que estigmatizam os nossos filhos e filhas, estou escrevendo este texto em busca de outro modo e compreensão de nossa condição paterna.

Nós, os pais de filhos e filhas com alguma forma de ser e estar com uma deficiência, somos diferentes sim, porque somos desiguais. Também nascidos na diversidade, se não temos, como nossos filhos/filhas, a equiparação de oportunidades e afirmação/realização de nossos direitos humanos, permaneceremos mais desiguais ainda. Tudo se torna ainda mais complexo na nossa diversidade, seja étnica, seja de herança genética ou de nossas origens familiares.

Somos, enfim, apenas seres humanos, mas muitas vezes somos reificados ou ideologizados como um 'grupo especial'. Acabamos nos tornando um motivo de atenção e de especulações teóricas que vão da antropologia à psicanálise, viramos teses, naturalizações ou dogmas. E, há alguns anos atrás, eramos classificados e rotulados de 'excepcionais', no duplo sentido desse termo.

Não, não há e nem houve, nunca, pais excepcionalmente perfeitos ou imperfeitos. Sempre existiram ou existirão apenas pais, alguns melhores, outros melhorados, outros incapazes do aprendizado incerto da paternidade, estes considerados os pais ruins.

Ao se ter um filho ou filha com uma diferença isso nos torna apenas mais propensos à uma busca intensificada de novos sentidos para o viver e para a Vida. O aprendizado da diferença, dos estigmas, dos estereótipos, dos preconceitos e das barreiras.

O que irá pesar na maneira como que nos desdobraremos das dobras desses filhos e filhas terá a ver com nossas possibilidades de inclusão, exclusão ou desigualdades sociais, além dos processos de subjetivação que vivenciamos. Porém, para além disso, responsavelmente, estiveram também os nossos pais ancestrais e, no futuro que se afigura, os diversos pais que temos e consolidamos, o Grande Irmão, os Big Brothers, a imagem estatal do pai orwelliano que nos controla e dirige em 1984.

Por isso hoje faço homenagem ao pai que tive e tenho a honra de ter e amar. Apenas um bom pai, nem perfeito, nem excepcional, apenas um pai amoroso. E digo com toda certeza, a este homem, hoje com mais de 100 anos, que foi sua maneira amorosa e desprendida de egoísmos, narcisismos  individualismos e, principalmente, dos radicalismos micropolíticos, que com fé e resiliência me ensinou a alegria tanto quanto a paixão de viver intensamente. 

Ser um pai com simplicidade aliada a muitos valores coletivos e princípios éticos já bastava. Não foi preciso ser um mito nem apenas uma identificação edípica, foi preciso uma boa, longa e afetuosa caminhada em parceria, nas travessias do cotidiano de terras rurais das minhas Minas Gerais.

Desejo, portanto, a todos e todas que possamos hoje homenagear a todos os Pais. Independentemente de suas condições ou qualidades, para além de seus defeitos, fazendo justiça a eles com um novo modo de reverenciá-los: humanizando-os, tornando-os apenas mortais e plenos de vida, no tempo de cada um, na singularidade e subjetividade possível a cada um deles. NEM HERÓIS, NEM VILÕES, apenas homens....

Vivam e vivenciem tudo o que seus filhos,com e sem deficiência, como a mãe Terra, tem para oferecer de melhor, e que nosso dia seja mais um dos muitos em que estaremos sendo tratados e respeitados em nossas diferenças, nossas multiplicidades, nossas suavidades ou mesmos nossas asperezas de aprendizes da paternidade.

Dedico com amor este texto aos meus filhos/filhas, assim como a todos filhos e filhas que nascem nesse momento, desejando-lhes um utópico dia dos Pais: sem violências, sem dores incuráveis, sem misérias, sem pobreza ultrajante, sem guerras e militarismos, sem terremotos devastadores, sem a cultura do medo, sem trabalho escravo, sem preconceitos étnicos e de gênero, sem xenofobias, sem desfiliações marginalizantes, sem torturas, sem bombas ou minas mutilantes, sem barreiras arquitetônicas, sem fome ou anorexias, sem fanatismo religioso ou politico, sem exploração sexual e trabalho infantil, sem exclusões, sem segregações biotecnológicas, sem homofobias, sem injustiças, sem microfascismos, sem manicômios, sem epidemias, sem violações de direitos humanos, sem os alienantes espetáculos macropolíticos, sem corrupções, sem genocídios, sem desaparecidos, sem meninos ou meninas em situação de rua... 

Pois estes também tiveram pais, estes também foram e são filhos de algum homem... mas a eles e seus pais, homens e mulheres, ainda não foi possível a existência de um mundo tão utópico e sonhado por nós.

Portanto, tornar-se um pai, e ainda afirmar direitos humanos para nossos filhos e filhas, é manter acesa essa chama utópica, ética, ecosófica, bioética e amorosa de um outro mundo possível. FELIZ DIA DOS PAIS na diferença e na diversidade.

copyright jorgemarciopereiradeandrade 2010-2011 (favor citar a fonte e o autor em republicações livres na internet)

P.S - peço desculpas aos leitores e leitoras do blog pela ausência de textos no último mês, não foram férias, mas aumento de dores e dissabores, assim como a busca de justiça para um pai diferente que me fizeram ficar sem o tempo necessário para o ato libertário da escrita neste espaço.

Referências bibliográficas:

O Segundo Sexo - Vol1 - Fatos e Mitos - Simone de Beauvoir - Nova Fronteira, RJ ( Le Deuxième Sexe (I) | 1949 )

http://www.novafronteira.com.br/produto.asp?CodigoProduto=0316

Um Amor Conquistado - o Mito do Amor Materno - Elisabeth Badinter - Ed Nova Fronteira, RJ, 1980 



IMAGENS DA SAÚDE E DEFICIENCIA - OMS (2005) http://www.who.int/features/galleries/disabilities/index.html

CIF 2001 - Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

Leia também no blog - AOS PAIS QUE APRENDERAM COM (AR)DOR AS PERDAS


22 comentários:

  1. Simone Alli Chair8 de agosto de 2010 09:30

    Para variar, um texto lindo. E para variar, repassei pras minhas comunidades....rs....
    Parabéns......

    ResponderExcluir
  2. Parabéns a todos os pais e que Deus os permitam usar a inteligência para educarem seus filhos.

    ResponderExcluir
  3. Lindo, Jorge!!! Feliz Dia dos Pais :o)

    ResponderExcluir
  4. CARA Simone
    Obrigado por sua generosidade e seu papel difusor de meus textos e idéias... e que possamos contaminar com afeto outros pais e mães de pessoas com deficiência para que se sintam mais potentes quanto mais humanos se tornarem... um doce abraço jorge marcio

    ResponderExcluir
  5. Caro Wanderley agradeço seu comentário e realmente desejo que nós todos consigamos aliar a INTELIGÊNCIA COM A SENSIBILIDADE para que nos tornemos cada dia mais humanos e mais sensíveis às diferenças e ás multiplas formas de ser e estar com uma deficiência... um abraçodoce jorgemarcio

    ResponderExcluir
  6. Cara Turmalina uma preciosa mãe e parceira de um bom pai
    agradeço seu comentário e lhe convido a tirar uma carta de seu Blog Cartas de Tarot, e se tirássemos uma hoje para os pais, talvez tirássemos a do Eremita, que figura como a sabedoria que todos tentamos alcançar na insondável arte sábia de aprender a ser pai... um doce abraço jorge marcio

    ResponderExcluir
  7. O texto mais especial sobre o tema que já li em meus 38 anos... Cheio de verdade, sensibilidade, reflexões, poesia e realidade. Um abraço...

    ResponderExcluir
  8. Jorge, um feliz dia dos pais a vc. Obrigada por fazer parte das nossas vidas.
    bjusssssssss

    ResponderExcluir
  9. Carissima Lu Jordão
    Muito me honra e estimula seu comentário e me sinto realizado nessa árdua tarefa do aprendizado da escrita das idéias e do tornar-me um pouco melhor como pai e pessoa... continue visitando e difundindo o blog. um doceabraço jorgemarcio

    ResponderExcluir
  10. Querido Jorge,

    O que te dizer?

    Que você é um pai para mim, por me ensinar a ter esperança e viver intensamente com coragem, determinção, sabedoria, e o mais importante: LUZ para iluminar os caminhos caleidoscópicos dos seres humanos desde o seu nascimento ao seu renascimento em espírito.

    Agradeço do fundo do meu coração, por inundar a minha alma de PAZ!

    Abraços carinhosos,

    Leandra Migotto Certeza - filha de muitos pais!

    ResponderExcluir
  11. QUERIDA Leandra a little big woman in my heart
    Sua mensagem comentario me engrandece e enternece como sempre faz em suas ações... obrigado por ser uma amiga tão carinhosa e me escolher para lhe iluminar algumas vezes, como tenho a CERTEZA de seu afeto mando de volta a mesma intensidade e profundidade do seu... um abraçoternoedoce jorgemarcio

    ResponderExcluir
  12. Como sempre, um texto repleto de sensibilidade! Você nos presenteia sempre com suas palavras tão...tão...tão...coerentes, maravilhosas! Pena que talvez aqueles que ainda não descobriram o prazer enorme de ser PAI não consigam ler além das palavras escritas. Obrigada, querido amigo!

    ResponderExcluir
  13. Querida TANIA
    Obrigado por ter lido e ter comentado o texto, pois sua vivência em prol da autodeterminação das pessoas com deficiencia intelectual e outras formas de deficiencia tem um papel importante na história dessas pessoas, além de sua vivência pessoal amorosa com seu filho e família... espero poder continuar minha jornada em busca da sabedoria da arte de ser e estar um pai... com afeto e um doceabraço jorgemarcio

    ResponderExcluir
  14. Você sempre nos brindando com belíssimos textos, Jorge! O que dizer de palavras tão tocantes e sensíveis como estas...
    Felizes dos seus filhos que tem um pai cheio de sabedoria, generosidade e amigo para todos os momentos.
    Aprendo muito com você, meu querido amigo! Obrigada!
    Compartilharei este texto com os leitores do blog, para que eles também possam apreciá-lo.

    Fique bem hoje e sempre!

    ResponderExcluir
  15. OI VERA Parceira, amiga e blogueira d Eficiente
    obrigado mais uma vez por seu comentário estimulante, ainda mais quando as dores se intensificam no meu corpo e me impedem de muitas coisas.. ou seja me tornam menos eficiente e mais imobilizado... tenha a certeza de que seu trabalho soma-se aos que faram a mudança de paradigmas e de compreensão sobre o são as deficiências, as pessoas com deficiência e a desmitificação dos pais e familiares desses cidadãos e cidadãs brasileiros... um doceabraço com ternura jorge marcio

    ResponderExcluir
  16. Jorge, este texto é maravilhoso e muito tocante!

    Por favor, responda para a editora Juliana da revista Incluir se é possível publicar alguns trechos que você autorize.

    Muito obrigada. Abraços e beijos, Leandra.

    ResponderExcluir
  17. Cara Leandra
    já está autorizada a difusão, apenas reforço que devemos preservar o sentido e o eixo principal deste texto, ou seja a desmitificação de nós os pais que são chamados de especiais para filhos especiais, e que possamos levar a todos o conhecimento de outra forma de tratar e respeitar pessoas com deficiencia... um doceabraço jorgemarcio

    ResponderExcluir
  18. Arrasando como sempre!Parabéns Jorge:pelo texto e pelo seu dia amanhã!Abrçs,
    Dulce

    ResponderExcluir
  19. Arrasando como sempre Jorge.PARABÉNS:pelo texto e pelo seu dia amanhã !
    Abrçs,
    Dulce

    ResponderExcluir
  20. Maravilhoso... Acho que posso perdoar meu pai depois de ler seu texto. Não é demagogia, fui profundamente tocada pela humanidade do meu pai. Obrigada querido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leide
      apenas lhe envio uma lágrima... apenas uma... mas profundamente sentida e tocada aqui em mim... obrigado por ter-se deixado afetar por meu texto... um doceabraço

      Excluir