sábado, 13 de abril de 2013

A COREIA DO FANATISMO POLÍTICO E O FANATISMO RELIGIOSO DO PASTOR – estamos no Século XXI?


Imagem publicada – foto em preto e branco, histórica, colhida na Internet, no link tvbrasil.ebc.com.br, sobre a Marcha da Família com Deus pela Liberdade, um movimento que reuniu milhares de brasileiros e brasileiras fervorosos; uma multidão, uma massa de brasileiros e brasileiras que carregam  faixas, bandeiras e cartazes, sendo em primeiro plano vemos uma bandeira com uma cruz cercada de estrelas, com um cartaz bem no centro que diz: “QUEREMOS GOVERNO CRISTÃO”, com outro em seguida que diz: “Despertai povo de Santos” ao lado de “ Verde Amarelo sem Foice nem Martelo”; A mais emblemática é apenas uma imagem de uma águia que pousa sobre uma cruz com a palavra LIBERDADE logo acima; com manifestações populares conservadoras em todo o País, e, que em 19 de março de 1964, em São Paulo, legitimavam o que viria ser o golpe de estado de 31 de março de 1964, que mudou a nossa história democrática, e, que com apoio de políticos, deputados, padres, cristãos, evangélicos, governadores, empresários privados e, intelectuais, ‘anti-comunistas’, consolidaram os futuros 20 anos de Ditadura Militar e Anos de Chumbo no Brasil. E a História registra o depois...

O título pode parecer um pouco confuso. E o é, pois retrata os tempos de confusão politico-religiosas que estamos assistindo. A encenação do Estado Espetáculo precisa de uma Sociedade do Espetáculo. E, atualmente, os espetáculos mais midiatizados são o exagero de alguns “cultos”, porém não muito cultos.

Não há teatro sem palco ou espectadores. Não há ou haverá representantes políticos ou religiosos caso não haja ou houver seus partidários ou seus seguidores.

E, em tempos de ameaça do sujeito autônomo e mal-estar-na-civilização, proliferam os seus novos atores, as novas encenações: os messianismos, os mistificadores e os apocalípticos. E reaparecem as paranoias.

O Brasil está assistindo a um grande espetáculo provido por um Pastor. Eu, aqui na minha própria “crença” de não-crer à toa e alienadamente, me recuso a dizer o seu “sacralizado” nome.

Ao me referir sobre seu “papel e representação política” pode  não ser muito pouco, como mídia. Porém, o que já foi feito e divulgado por todo tempo de sua permanência na presidência, contestada, de uma Comissão de Direitos Humanos é muito.

O que estou tentando quando falo da Coréia dos fanatismos não apenas apontar meus mísseis de tinta digital para o culto à personalidade do comunista norte-coreano.

Há outros cultos às personalidades pseudo-páticas que estão também na primeira página dos jornais, capas de revistas e se tornam virais na Internet. E são tão contagiantes como a música que fazia milhares de pessoas dançarem de forma ‘’louca’’ e extravagante nos séculos XIV e XVIII, “espumando pela boca e até desmaiarem de cansaço”, em êxtase.

Por isso resgato na etimologia da palavra coréia a atualidade dos fanatismos. Esta palavra, no grego, khoreia, nos remete à dança que em sua origem mítica que se associava à dança do ventre e às mulheres, que, como a dança dos “sete véus” de Salomé, enlouqueciam até os reis, e conquistavam até a cabeça decapitada de João Batista. As coreias podiam e podem enlouquecer?

 Como todos os termos polissêmicos, também podem denominar deste uma terra dividida como as Coréias, com uma Terra de Ninguém no meio, assim como doenças neuro degenerativas incuráveis, e que ainda causam estranheza e preconceitos pelos sintomas, como Huntington ou Sydenhann.

Os que sofrem destas doenças são acometidos de movimentos semelhantes às danças gregas, com movimentos involuntários, irregulares e, principalmente, repetitivos. Há também os que os associavam, nos cultos onde a dança era predominante, com as possessões demoníacas. Alguns, profeticamente, prometem curá-las, mas é preciso se alienar ou fingir que recebeu um milagre.

Hoje elas atacam muito mais a multidões. São as neo-coreias, mais de cunho histeriforme, onde os mitos e ritos político-religiosos predominam. Misturam com eficácia, como no passado: Deus e Democracia.

São massas humanas em busca de respostas para seus sofrimentos, misérias e sua própria exploração hipercapitalista. São, na sua maioria, o nosso “povo”, considerados incultos e privados de acesso ao conhecimento de sua própria escravidão.

A Coréia, ou melhor, a dança dos fanatismos políticos é o melhor termo para nos chamar a atenção para além das ogivas que são utilizadas para uma nova corrida armamentista e bélica.

O que tememos realmente? O “terror atômico”? O “horror econômico”? Ou uma nova “onda” fascistantes de escravidão e Vidas Nuas?

Há um fio invisível, porém duradouro, que une e fortalece essa nova dança contagiante de um fanatismo político a um fanatismo religioso. Uma nova “dançomania”. Os dois fanatismos se transversalizam há muitos anos...

Os fanatismos políticos, historicamente, sempre se sustentaram em cima de símbolos não-pagãos. A suástica é apenas a reapresentação de um símbolo muito mais antigo. As duas cruzes eram parte da “roda da verdade” que os monges budistas, no Tibet, incluíam em mandalas, com outra significação e simbolismo, muitos séculos antes de Hitler.

Por isso Castoriadis dizia que as religiões, no sentido arcaico do ‘religare’, nos instituía e institui como seres heterônimos. Somos indivíduos que inventam e dependem da existência de um Sagrado e da transcendência.

Para os atuais proliferadores e mistificadores da fé do outro essa necessidade humana é um prato cheio. Estamos, sob pena de exclusão ou danação, de não sermos mais os escolhidos, os ungidos, os eleitos para o Reino dos Céus. Somos hereges?

Temos, então, de nos tornar todos e todas em “crentes”. Os que não creem estão condenados ao fogo, assim como foram as mulheres, como bruxas, na Idade Média.
Retomamos essas práticas inquisitórias? Melhor então render homenagens e até oferecer cargos e privilégios políticos para quem possa nos retribuir com votos ou graças divinas. Vamos, então, render graças pelos “direitos” recebidos. Não há direitos adquiridos inerentemente por nossa condição de humanos.

Para escapar de novas práticas sutis de tortura, os fanatismos, com sua oferta sedutora, nos propõem uma redenção. Não importa se afirmamos a separação entre os Poderes. Nosso corpo e sua suposta liberdade nunca deixaram de ser do Estado.

Teríamos de afirmar como Fernando Pessoa que “a Liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo...”. 

E esse desassossegado poeta nos causará, por isso, um enorme desassossego. Afinal, no primeiro artigo de nossa Declaração não é dito que “... todos os homens nascem livres...”?

Creio que os que utilizam as técnicas de poder e controle de massas já descobriram o lado obscuro dessa afirmação do poeta. Temos ser coletivos enquanto acreditamos, mas só somos individualistas que aplicam o narcisismo das pequenas diferenças.

Por exemplo, agora, historicamente, estamos confirmando no Brasil como a religião é consubstancial a todo o corpo social. E que toda a forma de governar esse fragmentado e ameaçador corpo é, hoje, estimulada dentro de templos evangélicos.

Lá ninguém escapa de outro tipo de servidão sem crítica. E, de camarote, como meros espectadores assistimos a sua bancada revogando ou criando novas leis para todos e todas. Os seus partidos defendem o Pastor, mas muito mais ainda suas posições ideológicas, que devem ser eternamente: conservadoras, intolerantes, sexistas, homofóbicas, racistas, individualistas e segregadoras de quaisquer diferenças.

Nessas templárias construções é que Pastores como o moço feliz e vociferante afirmam que “Jesus não é para enfeitar pescoço de homossexual ou pederasta”. E, como estas condições ou diferenças podem levar às novas fogueiras, ou do Inferno ou dos novos fornos crematórios, muitos preferirão optar pela sua conversão.

Estes cenários, com palcos amplos, com luzes bem direcionadas, com microfones potentes e alto falantes que penetram na Alma são hoje também o melhor palco para uma eleição. E lá vamos nós de novo para uma coréia coletiva de mãos erguidas em busca da salvação. “Levanta-te, ser impuro, e em mim deposita todos os seus votos”... E na minha conta bancária também.

Afinal, o que se chamou de “voto de cabresto” antigamente, é hoje transformado em um voto de protesto e santo. Entre os que só são apresentados como corruptos políticos e os que são livres desse pecado, em quem o nosso povo in-crédulo poderia e poderá votar?

Hoje é mais seguro vender a alma. Houve um tempo que se trocava por camisetas, sapatos ou dentaduras. Uma nova e eficiente máquina de sedução e captura política nasce exatamente de nos tornamos tementes, novamente. O que desejavam as massas que construíram os nazismos e os fascismos? Diriam os marqueteiros: apenas uma suposta LIBERDADE e SUPREMA FELICIDADE. E a Salvação é claro!

E não me venha dizer que Hitler era um “louco”. Não, assim com os atuais mistificadores de massa ou pastores das maltas, era apenas mais um Presidente Schreber. Era um paranoico, com uma massa ávida de encontrar um alemão que falasse de e para uma “raça pura” e “superior”.

Schreber, um alemão que foi presidente do Senado de Dresden, foi o mais clássico caso de paranoia descrito desde Freud. Em seu livro “Memórias de um Doente dos Nervos”, apresentou-se ao mundo como um homem culto e inteligente. Ficou internado por sete anos em várias clínicas psiquiátricas. Ao sair escreveu o que pode nos ajudar a entender, ainda hoje, como funciona a mente de um paranoico delirante.

Ele, como nos diz Elias Canetti em seu Massa e Poder: “...estava tão firmemente convencido da exatidão e do significado de sua religião autocriada que assim que recebeu alta (do hospital) mandou publicar seu texto...”. Schreber, como alguns hoje em dia, diante de plateias ululantes, afirmava que seu corpo humano tratava-se de um “corpo celeste”, quiçá celestial.

Ele escreve em 1903: “Um relacionamento regular de Deus com as almas humanas somente ocorre após a morte. Deus pode aproximar-se dos cadáveres sem perigo, para retirar seus nervos do corpo e para despertá-los para uma nova vida celestial”.

Porém, como os paranoicos da modernidade, ele afirmava que Deus só pode usar nervos humanos “puros”. Seria esse Deus um eugenista? Teria Schereber (1842-1911) conhecido, como leitor/seguidor, as obras de Francis Galton (1822-1911)? Para que, os seres mundanos pudessem atingir a via rumo ao Céu seus “nervos” precisavam ser revistos e purificados. Tornar-se-iam superiores.

Este magistrado saído do hospício apresentava um sistema delirante de uma pessoa perseguida por Deus. Seu discurso apontava para uma existência terrível: sem estômago, laringe, perseguições de pássaros etc. Ele se transformaria em uma mulher que engravidaria de Deus.

E, como nos discursos evangelizadores ou sedutores modernos, este precursor dizia que alguns eram melhores e mais puros que outros. No seu céu todas as pessoas esqueciam-se de que eram humanos, menos os homens eminentes como Goethe ou Bismarck. Porém nessa “democracia” celestial até os poderosos um dia esqueciam sua condição humana.

No ápice, ou melhor, na sua maior “clarividência” místico paranoica  ele, sob a influência de visões que eram “parcialmente de caráter terrificante, mas em parte, também, de grandeza indescritível” convenceu-se da iminência de uma grande catástrofe:  o fim do mundo.

Nas suas alucinações auditivas, as “vozes” lhe disseram que todos os milênios da Terra vieram para nada, e só restariam mais 212 anos para a humanidade. Porém, quando retornou à clínica do Dr. Flechsig, tornou-se crente de que esse tempo já havia passado.  Entretanto, ele seria o “único” homem se salvaria desse Apocalipse.

Acredito, ou melhor, reflito que há quem ainda creia e jure que há esta proximidade do Fim. Recentemente muitos temeram o fim do ano passado como nossa terminalidade terrestre.

As mídias tonitroantes, as mesmas que concentram suas atenções para as bravatas e os discursos do Pastor, ajudaram também a uma multiplicação de protestos em massa. Portanto, há também o outro lado dessa moeda. O único risco é de sua captura por outros fanatismos políticos discriminatórios: as microfascistações em nós.

Hoje mesmo indaguei em uma rede dita social, acerca das profecias do Pastor: O que dizer aos seus seguidores fanáticos? O que dizer aos que ainda acreditam nessa ditadura dos termos retrógrados deste Exmo. Sr. que pula e GRITA?

Os seus vídeos, que não são autobiográficos como o livro de Schreber, mas passíveis de uma análise crítica, não apenas psicanalítica, também, uma visão psicossociológica nos faz “crer” que há um movimento mais antigo e enraizado que alinha os fanáticos políticos com os religiosos.

 Assistam aos vídeos e reflitam sobre os que estão atrás do Pastor e à sua frente na grande plateia do seu “teatro” e a sua coreia histérica a falar de cantores, de Caetano a John Lennon. Gravem bem estas imagens, pois esse passado de hoje ainda estará presente no futuro, em outros novos políticos ou mistificadores religiosos.

As manifestações tiveram e têm seu papel na reivindicação dos direitos humanos como direitos a serem efetivados. Devem e podem continuar, mas não podem cair na “tentação” de ser também a única forma de revolução ou rebeldia.

Quando lidamos com o ressurgimento de movimentos paranoicos, de seus representantes, sejam políticos ou religiosos, ou as duas coisas, temos de reler e refletir o que disse Canetti.

Gostaria de nos lembrar que Schreber dizia que a ‘humanidade’ toda seria exterminada pois ousou ficar ‘contra ele’: “Nisto ele não se mostra apenas como paranoico; é a tendência mais profunda de todo ‘poderoso’ IDEAL ser o último a permanecer com vida. O poderoso envia os demais à morte para que ele mesmo seja perdoado pela morte: ele a desvia de si. A morte dos demais não lhe é apenas indiferente; tudo o impele a provocá-la de maneira maciça...”.

E não devemos nos sentir convidados ou atraídos para estas novas Coreias, para além das geopolíticas mundiais e capitalísticas, que apenas estão maquiando velhos e consagrados meios de controle e biopolíticas. Portanto não basta afirma a laicidade do Estado Espetáculo. É preciso confirmar a minha livre e singular condição humana para além de todos os preconceitos.

Ao Pastor e suas hordas envio a minha 'vigilância' e gramática civil: meus direitos não são desumanos quando o Outro é a minha/nossa diferença e alteridade. Não busco a sua extinção. Só aceito seu convite à dança quando é para não repetir os mesmos passos errados que já demos no Salão de DANÇAS da Vida, que,tenham certeza, não é nome de nenhum culto ou espaço de alienação política.

Copyright/left jorgemarciopereiradeandrade 2013-2014 (favor citar o autor e as fontes em republicações livres pela Internet ou outros meios de comunicação de “massas”)

Indicações de matérias/fontes na INTERNET –



FREUD, Sigmund. XII. O Caso Schreber, Artigos sobre Técnica e Outros Trabalhos (1911-1913) (Volume XII) para Dowload http://pt.scribd.com/doc/68594953/FREUD-Sigmund-XII-O-Caso-Schreber-Artigos-sobre-Tecnica-e-Outros-Trabalhos-1911-1913-Volume-XII


INDICAÇÕES PARA LEITURA E REFLEXÃO CRÍTICA –

MASSA E PODER – Elias Canetti – Editora UNB, Brasília,DF, 1983.

PSICOSSOCIOLOGIA - Análise Social e Intervenção – André Levy, Andre Nicolai, Eugène Enriquez, Jean Dubost – Editora Autêntica, Belo Horizonte, MG, 2001.

O CASO SCHREBER" E OUTROS TEXTOS - Obras completas volume 10 - Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia ("O caso Schreber"), Artigos sobre técnica e outros textos(1911-1913) – Sigmund Freud, Editora Companhia das Letras, São Paulo, SP, 2010.

LEIA TAMBÉM NO BLOG –
FUNDAMENTALISMO, FASCISMO E INTOLERÃNCIA SÃO INCURÁVEIS? E OS GAYS? 

A MORTE DO FANÁTICO NÃO MATOU O FANATISMO

A MINHA TOLERÂNCIA É MAIS QUE BACALHAU NO MEU ARROZ COM FEIJÃO? – EM BUSCA DA EMPATIA PARA ALÉM DA ANTIPATIA sobre o fanático/terrorista norueguês Breivik 

O MARTELO NAS BRUXAS – COMO “QUEIMAR”, HOJE, AS DIFERENÇAS FEMININAS?  

DEMOLINDO PRECONCEITOS, RE-CONHECENDO A INTOLERÂNCIA E A DESINFORMAÇÃO -

10 comentários:

  1. Não sou especialista na área, mas sinto que esses indivíduos acreditam mesmo no que falam. O que a maioria sente como fanatismo para eles é dogma, realidade.
    Hoje, uma medida contra isso pode configurar uma restrição à liberdade de culto e à liberdade de expressão. Assim, entramos numa encruzilhada. Mas, a lei deve impor limites, sob pena da maioria ficar a mercê das ideologias. Assim deve ser em todos os setores da vida.
    Ou estou errado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Silva Lemes
      Não se constroem liberdades e direitos civis com restrições de comunicação do pensamento, das idéias e das escolhas políticas ou religiosas. O que não podemos deixar passar é a construção de um novo "ovo da serpente" fundamentalista e fanatizante que sustenta e sustentou a visão excludente e intolerante de 'ódio' ao Outro, estimulando uma alucinação e delírios coletivos, como denuncio, que em nome de livrar o mundo do MAL se tornará o próprio. Os fanatismos esses sim são 'possuídos' por uma fantasia de redenção e ressurreição social. Esse retorno de um modo religioso ABSOLUTISTA não é um sinal de renovação mas sim de extremo conservadorismo, os felix-sem-ano anda de mãos dadas com os múltiplos robotizados de bolso-nadas... OBRIGADO pelo comentário crítico e reflexivo um doceabraço

      Excluir
    2. Mas, amaioria não é cristã? Ora, que são as leis de um país senão o estabelecimento de regras com base na moralidade do povo?
      A laicidade deveria ser neutralidade do estado em relação aos assuntos espirituais. O FATO É QUE O HOMOSEXUALISMO É UMA PRÁTICA CONTRÁRIA AOS PRINCÍPIOS DA FÉ CRISTÃ. Portanto, quando o estado abraça essa causa, na verdade está fazendo o oposto da neutralidade que deveria respeitar.
      É inegável que os princípios da religião ou falta deles são elementos primordiais que contribuem para forjar os caráteres dos cidadãos. Portanto, é impossível o fator cultural religião não influenciar na criação das leis e na forma como o estado é administrado. Pois, são frutos dos caráteres dos cidadãos, que vão influenciar suas atitudes, seus pensamentos, suas formas de verem e se posicionarem no mundo.
      Portanto, a laicidade do estado não dá a ele o direito de criar leis e procedimentos em desacordo com a moralidade do povo.

      Quero deixar claro que SOU CONTRA A HOMOFOBIA ou qualquer tipo de violência. E, penso que, ao contrário do que dizem, os princípios cristãos não são a causa da homofobia, mas, justamente a falta deles.

      Num mundo de violência generalizada, onde a cada duas horas tira-se a vida de uma mulher, e o que vale é o “ter” em detrimento do “ser”, fazem muita falta os ensinamentos de Cristo.

      Portanto, embora o cristão não aceite a homossexualidade, por ser uma prática contrária aos princípios da fé cristã, direito também garantido na Constituição, relacionado ao respeito à consciência de cada um, UM CRISTÃO VERDADEIRO NÃO PODE ACEITAR A HOMOFOBIA, um crime contrário ao princípio do amor, e que fere o princípio do livre arbítrio, estabelecido por Deus.
      Além da laicidade, outros princípios regem as relações entre o governo e os cidadãos. Vivemos sob a égide dos valores democráticos, que tem como princípio fundamental o respeito á liberdade. Todo cidadão deve ter respeitado o seu direito de lutar por aquilo em que acredita, desde que ele reconheça que o seu direito termina onde começa o direito do outro. Princípio, INCLUSIVE GARANTIDO NA CONSTITUIÇÃO. Por essa ótica não vejo problema nenhum no fato dos homossexuais lutarem por aquilo que consideram seu direito. Entretanto, isso não implica na obrigação de todos os cidadãos estarem de acordo com os seus valores.
      Por outro lado, os cristãos também não podem enfiar os seus princípios e valores goela abaixo de ninguém. Podemos democraticamente lutar por eles, SEM VIOLÊNCIA.
      Deus deu o livre arbítrio a todos. Respeitemos!

      Excluir
    3. CARO SR OU SRA. COVICEC (seria ótimo se pudesse se identificar com nome e sobrenome)
      Parece-me que não leu o meu texto atentamente, pois seu discurso já é uma repetição do que outras pessoas estão postando nas redes sociais. Primeiramente sou obrigado a lhe corrigir acerca do que chama de "livre arbítrio" dado, ou seja concedido apenas por Deus, pois este ao que saiba é inerente à condição de dignidade humana e foi também referendado pela Declaração Universal dos Direitos Humanos em 1948, e não o vi sendo afirmado, principalmente no passado, pelos Concílios ou Conselhos de Igrejas Cristãs... O tal liberum arbitrium tem também conotações filosóficas, éticas e até para a História das Ciências, portanto não é um privilégio apenas dos que acreditam ou creem em uma religião... E o Calvinismo, assim como Schreber e outros acreditam e acreditavam que Deus escolhia apenas os que os que professavam a sua crença, e só os que nasciam "puros" encontrariam sua Salvação...?
      Em segundo lugar sua posição se centra sobre a questão do HOMOSSEXUALISMO, que para mim se inclui entre os homoerotismos humanos, que já foram motivo até de perseguição nazista, inclusive ao Dr. Sigmund Freud, que escapou por muito pouco de morrer em um campo de extermínio por suas idéias revolucionárias sobre a sexualidade humana. Respeito seu direito de contestar, assim como de professar sua fé, porém o texto não se dirige aos que não querem "enfiar pela goela abaixo" os seus princípios e valores...e sim aos que, espertamente ao contrário, usam de artifícios econômicos e políticos para aumentar sua legião de seguidores ou partidários, usando no Estado laico de princípios não-laicos para a dominação e para enfiar pela goela abaixo todos os tipos de RETROCESSOS JURÍDICOS, POLÍTICOS E, INCLUSIVE RELIGIOSOS. Por favor não copie e repita velhas frases chavões, lhe peço com carinho e respeito, pois não estas não trazem mais LUZ para o mundo e sim propostas para uma escuridão, como nos tempos das Ditaduras, que precisam destes paranoicos de plantão para sua manutenção pela força, pela discriminação, pela EXCEÇÃO e pelo EXTERMÍNIO... Foi isso que tentei alertar, se compreendeu agradeço, caso contrário também lhe agradeço pois não sou nenhum Pastor querendo lhe obrigar a se converter ou receber uma graça...que não é de graça. um abraçodemocraticoelivre Dr. Jorge Márcio

      Excluir
  2. Dos fanatismos tenho medo, mas tenho ainda mais dos que seguem os fanáticos, Jorge. Como vc muito bem abordou (como sempre aliás), se aqueles existem é porque estes os aplaudem!

    Wally Salomão diz que a memória é uma ilha de edição, lembramos do que nos interessa, do que nos incomoda ou conforta. Por isso precisamos lembrar de fatos ocorridos a partir de fanatismo.

    "Foi a queda da cabeceira que fez Alfred Maury sonhar com a queda da guilhotina. Assim, a queda da cabeceira é a causa do sonho. E a causa é um começo. O começo do sonho. Mas, no sonho, a queda da guilhotina é também a conseqüência de todos os longos incidentes que levaram Maury à decapitação. E a conseqüência é um fim. O fim do sonho. Como é que a causa de um sonho se transforma em sua própria conseqüência? Como é que o começo se transforma no fim?"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI SCHEILLA
      suas ponderações e a citação do Wally Salomão, sempre poético e visionário, bem como do Maury nos faz pensar em como gostamos de "apagar", ou como dizem "deletar" o passado incômodo de nossas repetições e conservadorismos que impedem um olhar crítico em direção a um outro futuro possível...Não podemos "perder a cabeça" como vacas profanas, muito embora nos queiram bem no meio da manada...precisamos de muitas mentes se incomodando e em desassossego diante destas hipermidiatizações absolutistas e fascistas, sob o manto da pseudo-evangelização, que cada dia mais nos rouba as salas de cinema para um outro espetáculo: sempre de camisas brancas e gravatas ilustres senhores (não sei quantas são as senhoras) se revezam no seu ilusionismo dos que pagam para serem milagrosamente retirados de sua condição humana, estes pregadores com bíblias no sovaco que mais parecem papagaios, e se dizem "soldados de Cristo"... muito próximos dos missionários que partiram em busca da salvação dos selvagens pelo mundo, com a diferença que não se esforçam nem um pouco para a alfabetização como os jesuítas...sua principal intervenção é no aprofundamento da naturalização das submissões e do masoquismo, além de oferecerem um atrativo e sedutor espetáculo... e a telas dos Cinemas-igrejas só reproduzem um único filme repetitivo: erguei as mãos!...mantenha sua chama crítica acesa e contagie outros amigos e amigas. Um doceabraçoatéoPará jorge marcio

      Excluir
  3. Caro Jorge, texto impactante que ainda estou digerindo... Somos todos hereges, ainda nos acompanha a idade média ou seremos todos exterminados pelos semideuses atuais de terno e gravatas, governantes com seus ideais consumistas-consumidores de almas?
    Acredito nas micropoliticas de fundo de quintal e das ruas, do ver-dadeiro Teatro de informação singular, da comédia Urbana que desmorona com as realidades fantásticas do di-a-dia, a contaminação!
    "Com Deus ou sem Deus, somos apenas humanos e por isso desumanos" Nietzsche.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carissimo amigo Fernando
      só hoje estou respondendo o seu comentário porque este texto começa a se tornar uma triste e lamentável realidade no Brasil, onde as 'milícias fanáticas evangélicas'' se apresentam com seus estandartes, a moda da TFP, e se somam aos outros milicianos políticos que pregam uma falsa ''moralização'' do país.
      E a micropolítica amorosa e as novas suavidades estão sendo trocadas por bandeiras de ódio e preconceito...
      Espero que com Zaratustra possamos continuar em busca da GRANDE SAÚDE e do além do desumano...e da desumanização fascistante.
      um doceabraço ( e estou postando este texto novamente nas redes sociais...)
      Jorge Márcio

      Excluir

  4. "Para escapar de novas práticas sutis de tortura, os fanatismos, com sua oferta sedutora, nos propõem uma redenção. Não importa se afirmamos a separação entre os Poderes. Nosso corpo e sua suposta liberdade nunca deixaram de ser do Estado." Realmente é incrível como a massa é manobrada ao longo da história humana e o tanto que isso lhe aflige a alma, onde não sabe ao certo se o seu direito será garantido em algo que não seja legitimado por uma ideia que perpasse pelo domínio religioso, com ditames morais e sutilezas do bem viver e do como agir... Acabam assumindo posturas que segregam a si e aos outros, ainda mais quando sem perceber muito bem isso a deixar o coletivo ao seu próprio caminhar, pois a ideia do convívio entre o joio e o trigo, não necessariamente tem cunho religioso, mas social, onde as diferenças precisam ser respeitadas, a humanidade precisa reagir à manobra de confundir o indivíduo enquanto todo, numa coletividade absurdamente conduzida... Como sempre, suas considerações nos fazem melhores!!!

    ResponderExcluir

  5. Marina Corrêa Nery

    Sempre que leio suas matérias , respiro , me posiciono como se estivesse numa sala de aula. Minha atenção é redobrada, pois sei que cada frase é um aprendizado .Suas colocações deslizam suavemente e segue seu rumo , nos presenteia e nos honra . Bem visceral seus textos , adequações perfeitas , e de cunho profético , de tão verdadeiro . Genial você , amigo querido . E como é prazeroso ter amigos geniais . Um beijo na alma .

    ResponderExcluir