sexta-feira, 26 de março de 2010

ÁGUA PARA QUE TE QUERO? Dia Internacional da Água


IMAGEM publicada: mostra a fotografia de Samah, uma menina palestina de 9 anos, bebendo ÁGUA diretamente de uma torneira, que faz parte de um acervo fotográfico do projeto "Humanizando o Desenvolvimento", como parte da Campanha Global promovida pelo Centro Internacional de Políticas Públicas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) das Nações Unidas (ONU) - foto de Mustafa Hassona.

InfoAtivo DefNet nº 4376 - Ano 14 - 26 de março de 2010.

“ O real desenvolvimento acontece no coração das pessoas. Significa permitir que a natureza humana desabroche e evolva. Onde há razão e amor, há forca e poder para lidar com as dificuldades da vida. Encorajar as pessoas a governarem suas vidas e a si mesmas, e alcançarem o mais alto de seus potenciais – isto é desenvolvimento. Devemos reconhecer aqueles que são grandes a despeito e as vezes em razão das dificuldades que enfrentam. Devemos encorajar a humanidade em cada um de nós – a capacidade de Ser tanto dos pobres quanto dos não-pobres
”.


Dizem que "fechar a torneira" é uma expressão de solução para muitas questões, problemas ou momentos de dificuldade. No mundo capitalizado é comum associar a frase ao ato de restringir o uso de DINHEIRO, como se do cano saíssem as moedas ou notas, e ao fechar a torneira estamos resolvendo um problema de escassez, excesso ou de dívidas monetárias.

A comparação com uma cornucópia é muito comum e banal no cotidiano, e, é esta solução usada geralmente por quem detem o poder da grana e sua manipulação. Ou são os banqueiros, os governantes ou até mesmo os nossos familiares.

"Fecha a torneira que esse ou essa aí vai endireitar", uma frase muito comum de pais, dos tempos passados e autoritários, que queriam ver seus filhos no "bom caminho". Será que foi isso que mudou as veredas trilhadas pelas gerações dos anos 60/ 70? Podemos pensar que foi isso que gerou os "bons comportamentos e a ética" dos que agora têm nas mãos as 'torneiras' de recursos que podem mudar as politicas públicas de água e seu abastecimento?

Não, não deveríamos deixar fechar apenas essas falsas torneiras simbólicas e macropolíticas. Não deveríamos fechar mas aprender a aprender a fechar outras torneiras ou outros meios de controle, privados, do desperdício de água, e não apenas, urgentemente, de dinheiro publico

Cada dia que passa ao ver a água que jorra em nossos lares, escolas, hidrantes ou mesmos calçadas, sem nenhum motivo vital ou uso consciente, contribui-se para que outros recursos, principalmente públicos, estejam indo pelo ralo ou bueiros. E para nossos descendentes um dia, quem sabe, essa água faltará.

Estamos em meio à uma campanha de utilização consciente dos recursos hídricos potáveis da Gaia. A água, assim como o afeto materno, é doce mas não é inesgotável. É tempo de refletir sobre o planeta-água. Sim, somos muito mais ÀGUA DO QUE TERRA. Como já disse, poética e proféticamente, Saint-Exupery: "Só o Espírito soprando sobre a Argila pode criar o Homem". Sem o barro não há o homem, sem a àgua não há o sopro da vida...


Em 1992 foi criado o DIA INTERNACIONAL DA ÁGUA pela ONU (Organização das Nações Unidas), tendo como data a comemorar o dia 22 de março, que foi celebrado 01 ano depois. Desde essa época apenas anualmente o Dia da ÁGUA chama nossa atenção para a sua preservação ou uso sustentável. Mas a água é muito mais que uma necessidade básica dos seres humanos. Ela é parte constitutiva da sua própria vida entendida como 'BIOS', por isso mesmo se tornar um excenlente meio de controle biopolítico das sociedades através dos tempos.

Segundo a ONU, atualmente cerca de 1.1 bilhão de seres humanos ainda não tem acesso à agua de boa qualidade. Essa parcela da população do planeta convive com sua escassez, sua ausência ou sua contaminação, sendo vulnerável às diversas doenças ou sofrimentos acarretados por esta situação.


Vimos essa crueza,quando nos falta a água, nos canos expostos e destroçados pelos recentes terremotos do Haiti e do Chile. As veias e artérias de água alimento e vida desaparecem. E, lá também ficaram expostas as razões de desespero diante da ausência total de água potável ou limpa. É a hora em que os seres humanos podem revelar sua possibilidade de retorno à barbárie por algumas gotas deste precioso líquido vital.

Será que podemos mudar o atual panorama mundial de escassez da água? Estamos empenhados para afirmar o direito à água limpa como um direito humano fundamental?

O que podemos fazer para ajudar na preservação das fontes de água limpa e extremamente saudáveis, como as fontes de água mineral de minha terra natal? O que fazer para que acordemos para a desertificação, contaminação e desaparecimento dos rios, lagos, lençóis pluviais, e todos os reservatórios naturais de água doce, fontes passíveis do uso salvador pelos milhares de pessoas do planeta que morrem após ingerir água contaminada? Os milhares que também morrem por sua falta total...


Em muitos lugares do mundo, nesse momento, algumas torneiras não jorram mais água. Em muitos lugares as fontes secaram. Em muitos lugares deste planeta estamos nos tornando mais secos e impermeáveis às condições de vida dos que não-tem-água...

Talvez tenhamos não só nos esquecido desses outros sedentos e invisíveis, assim como das crianças de Dafur, do Haiti, do Saara, ou mesmo no meio do Piauí? Quem sabe, estejamos nos tornando menos elementares, embora mais superficialmente amáveis.


Um de meus poetas preferidos, D. H. LAWRENCE, já se pronunciou há muito tempo sobre a necesssidade de sermos ELEMENTARES:
"... Como o homem é feito de elementos,
de fogo, chuva, ar e barro,
e como nada disso é amável
mas elementar
o homem não pende inteiramente para o lado dos anjos.
Quero que os homens recuperem seu perdido equilíbrio
entre os elementos
e sejam mais fogosos ao menos, tão incapazes de mentir
como o próprio fogo
Quero que eles sejam fiéis à variação natural , que nem a água.
que passa da nascente ao vapor e chega ao gelo
sem perder a cabeça...".


Portanto, po-éticamente não somos puros nem anjos. Podemos nos tornar, pelas cristalizações fascistantes, cada dia menos elementares. Precisamos, por isso, refletir sobre o que chamamos de desenvolvimento humanizado e inclusivo.
Há progressos no ar, na terra e no mar. Há novos ventos capitalísticos soprando o nosso tradicional ufanismo brasileiro. Somos capazes de extrair, mais e mais, o ouro negro do fundo do mar, mas não somos capazes de impedir uma devastação de nossas ricas e invejadas fontes de preservação de água.

O nosso país que um dia teve o Rio Amazonas excluído do mapa, no tempo das Capitanias Hereditárias, como questão geopolitica para evitar a sua exploração por outros colonialistas (espanhóis, franceses e/ou piratas a serviço destes), é hoje visto biopolíticamente como o 'reservatório ecológico' do planeta.

Pode ser que a Terra Brasilis, agora de vento em popa no Capital Mundial Integrado, como dizia Guattari, possa inverter o modelo eurocêntrico de cartografia das riquezas e dos tesouros do mundo globalizado. Yes, nós temos ÁGUA!. E se um dia se fizeram expedições, guerras e colonizações por pimenta e especiarias, talvez possamos aguardar a Era da globalização da água.

Mas, mesmo assim há muitos brasileiros e brasileiras que ainda não conhecem água além das cacimbas ou das cisternas. E, então,não podemos nos vangloriar ainda de termos matado todas as nossas próprias sedes. Não podemos oferecer, por mais que se afirme macropoliticamente, um exemplo de desenvolvimento sustentável na distribuição de água. Nossos governantes não se apropriaram, de coração, ainda dessa 'bandeira' que, olhando e indo além do olhar , incentivará um uso ecosófico da água limpa ou potável.

Será que nesse ano dito 'das eleições' veremos algum partido, algum candidato, alguma candidata, algum brasileiro ou brasileira postulante a nos representar, e não nos reprimir, bradando o slogan: EU BEBO ÁGUA SIM, NÓS BEBEMOS SIM, E ESTOU VIVENDO, TEM GENTE QUE NÃO BEBE ÁGUA LIMPA E ESTÁ MORRENDO.

O DIA INTERNACIONAL DA ÁGUA já passou. E como outros dias internacionais teremos de esperar o próximo ano para comemorá-lo ou esquecê-lo. Eu aqui que já tive esse ano, na mesma época do Haiti, a ausência de àgua em minha vida doméstica e tudo o que isso acarreta, lhes digo que, mesmo assim, ainda não aprendemos a fechar o registro ou a torneira. 

Só passamos a valorizar aquilo que perdemos? Não, apenas não nos foi, profundamente, ensinado que uma gota de água contêm um dos elementos vitais para que respeitemos a nossa e, eticamente, a Vida dos Outros.

O novo brado, parodiando o Socialismo ou Barbárie de Castoriadis, poderá ser: ÁGUA PARA O MUNDO no FUTURO OU BARBÁRIE.


Será a água a moeda principal do mundo pós-apocalítico do futuro? O Cinema nos apresenta suas visões e vislumbres futuristas, com heróis, como os Moisés bíblicos redivivos, conduzindo/controlando, biopolíticamente, uma massa sedenta e bárbara, em busca de salvação ou redenção.

O valor político e de controle da água é bem representado nos filmes Water World:O Segredo das Águas (Kevin Costner) e no Livro de Eli (Denzel Washington)... mas será preciso primeiro arrasar a terra, destruir seu potencial verde, doce e aqüifero, para depois descobrirmos que o deserto ou a inundação total produzidos não terão oásis, terra firme, portos seguros e lindos lagos cercados de palmeiras?

Fica a pergunta que me fiz, faço e farei: ÁGUA PARA QUE TE QUERO?

copyright jorgemarciopereiradeandrade 2010-2011 - favor citar a fonte em futuras reproduções e difusões na Internet, estimulando a multiplicação do texto e das idéias desse autor...e dos autores citados no mesmo.


Fontes:
Foto - Campanha Mundial de Fotografia "Humanizando o Desenvolvimento" - ONU , que tem como um de seus objetivos:
Combate a privação e expansão do acesso a alimentação, água, saneamento, educação, saúde e serviços aos mais pobres.

http://www.ipc-undp.org/photo/index_pt.htm

WORLD WATER DAY http://www.worldwaterday2010.info/

Referências Bibliográficas -
Poemas - D. H. LAWRENCE - Edição Bilíngue do Centenário - Editora Alhambra - Rio de Janeiro - 1985
Capitães do Brasil - EDUARDO BUENO - Editora Objetiva - Rio de Janeiro - RJ - 2006

LEIA TAMBÉM NO BLOG -
O AMBIENTE EXIGE RESPEITO - http://infoativodefnet.blogspot.com.br/2009/12/ambiente-exige-respeito.html

4 comentários:

  1. Parabéns pelo texto e também pelo dia de hoje :o)

    ResponderExcluir
  2. Obrigado aos amigos pela leitura e mais ainda pela DIFUSÃO de minhas idéias e textos, convidando-os a brindar com UM COPO COM ÁGUA, límpido, vital e indispensável, que como a AMIZADE deve ser sempre TRANS-LÚCIDA... com carinho jorge marcio

    ResponderExcluir
  3. Pensar em economia precede garantir a existência nossa e a dos outros. Precisamos re-aprender a importância da ÁGUA. Pois a situação atual mostra o quão fomos incapazes nessa preservação... Como vimos seu texto previa esses tempos dificeis, és capaz de ver além mar, ultrapassar o presente percebendo que fomos negligentes com a natureza e capazes de afetar fundamentalmente às novas gerações!!!

    ResponderExcluir